2018 é o ano em que o True Agile vai fazer a diferença. Sim, isso mesmo.  True Agile ou Ágil de raiz.

Hoje é necessário que se faça essa distinção uma vez que o “Agile” está definitivamente contaminado por práticas, ideias e conceitos contrários ao que o Agile realmente significa. E é por isso que encontramos por aí:

  • ScrumMasters como coordenadores de time;
  • cliente exercendo o papel de PO;
  • métodos híbridos (bi-modal ,etc);
  • fórmulas prontas;
  • melhoria continua da boca pra fora;
  • complexidade desnecessária;
  • timesheets;
  • transformação de User Story Points para Homem Hora ou Pontos de Função;
  • e por aí vai…

Agile meia-boca é o que mais se vê por aí: torto, faltando pedaço, baseado em conceitos e ideias atrasadas e principalmente top-down, sem empowerment e nada autoorganizado.

Então acredito que chegou a hora de promover o True Agile. Mas, afinal, o que é o True Agile? É aquele do Jeff, do Ken, do Ron, do Fowler e de tantos outros que lá em 2001 sequer perceberam que estavam mudando o mundo ao criar o Manifesto Ágil, seus 4 valores e 12 princípios.

Vida longa ao True Agile.