Há um tempo, estava com um time em que as pessoas estavam distantes umas das outras. Falavam pouco, reclamavam de problemas parecidos, mas nada mudava. Percebia que os problemas mais profundos não surgiam com facilidade e muitas vezes evitavam falar sobre eles. A cobrança da gestão aumentava cada vez mais e inibia que as pessoas expressassem seus pensamentos, quanto mais pedir ajuda.

Nesse cenário, um dia fui fazer uma retrospectiva com essas pessoas e percebi que o cerne da questão era não se ajudarem e não pedirem ajuda. Com isso, me inspirei na dinâmica “Quero aprender” e “Quero ensinar” para fazer essa retrospectiva.

A Retrô “Deu Match” consiste em puxar com o time os temas “Preciso de Ajuda” e “Posso Ajudar”.  Primeiro, peço que todos reflitam sobre o que estão fazendo atualmente e que precisam ou poderiam ter ajuda. Tal ajuda pode ser necessária porque estão sobrecarregados, ou porque o conhecimento está centralizado em uma ou poucas pessoas e é importante compartilhá-lo, ou até porque é algo chato, uma burocracia ou algo do tipo, que querem que acabe logo. É importante dar um timebox, geralmente 2 ou 3 minutos, para que cada pessoa escreva uma atividade ou tarefa por post-it, que precise de ajuda.

Ao final do tempo dado, peço que, um por vez, eles compartilhem em voz alta o que escreveram e colamos os post-its na parede. O que importa nesse momento é deixar visível para todos quais tarefas, atividades ou assuntos que o time está atuando e em que é possível que alguém ajude. Isso, porque muitas vezes, as pessoas pressupõem erroneamente que ajuda não é necessária ou que ela “vai mais atrapalhar do que ajudar”. Torna-se mais fácil estender uma mão amiga quando você sabe que o outro precisa e está aberto a receber esse auxílio.

Uma vez que as pessoas vislumbram onde é possível ajudar, peço que escrevam em seguida em que elas podem ajudar. Nesse caso, é preciso explicar que não é necessariamente algum dos itens da primeira lista, e sim o que elas pensam que seria legal compartilhar de conhecimento, ensinar ou aprender dentro do dia a dia do time. Mais uma vez dou um timebox de 2 ou 3 minutos para que cada pessoa escreva um item por post-it. Ao final do tempo dado, mais uma vez peço que eles compartilhem em voz alta o que escreveram e colamos na parede os post-its.

Por fim, analisamos juntos as duas listas, e encontramos o match. O match é tudo aquilo que alguém precisa de ajuda e tem uma ou mais pessoas que podem ajudar.

Assim o time cria uma visão prática de como podem colaborar no dia a dia. Ao final da dinâmica, peço ao time que priorize os mais importantes que irão praticar nas próximas uma ou duas semanas e identifiquem nos post-its quem vai ajudar quem.

O resultado da retrô pode ficar depois como um quadro vivo, constantemente em atualização, para que o time retorne e reflita sobre como se ajudar cada vez mais.

Espero que essa retrô possa ajudar também a você, leitor, no dia a dia. Teste ela e conta para a gente aqui nos comentários como foi!

Se quer conhecer mais sobre retrospectivas, dá uma olhada nesses posts.

E se quiser saber mais sobre técnicas de facilitação, confira o nosso treinamento!