Em muitas empresas, o processo de desenvolvimento de produtos começa com ideias de novas funcionalidades. Essas funcionalidades são priorizadas com base no retorno esperado e no custo de desenvolvimento, cria-se um roadmap e envia para o time executar. Isso lhe soa familiar? Neste caso, há uma grande possibilidade de se perder na construção da solução, aumentando exponencialmente a chance de construir coisas demais que ninguém usa, além de engessar a capacidade da sua empresa de responder de forma rápida e eficaz às mudanças de mercado e a experiência dos seus clientes.

Dado o contexto acima, vamos aos fatos:

O problema com o roadmap tradicional

Quanto mais massa tiver um objeto, mais energia é necessária para mudar sua direção. É uma verdade tanto para o mundo físico como para o mundo dos negócios.

No roadmap tradicional existe a ilusão do super planejamento, dando uma falsa sensação de segurança e previsibilidade aos stakeholders. No entanto, tal prática aumenta a rigidez do processo, diminui a capacidade criativa, e também, o foco na real necessidade dos clientes. A consequência é desenvolver recursos que nunca serão utilizados, desperdiçando tempo e energia.

Roadmap enxuto

“Planejamento é saber que você precisa mudar a rota a cada 30 minutos” – Amyr Klink

Isso significa ter menos massa. Menos massa significa conseguir mudar rapidamente. Decidir lançar novas funcionalidades agora ou mais tarde. Reagir ao mercado ou evoluir o seu produto. Ouvir e atender as necessidades dos clientes. Diminuir o custo das mudanças.

Quanto mais caro for para fazer uma mudança, menos chances ela terá de ser realizada. Seus concorrentes podem mudar mais rápido e você fica em uma enorme desvantagem. Se a mudança for cara demais, você está morto.

A capacidade de mudar num piscar de olhos é algo que produtos enxutos têm por natureza, e que produtos frankenstein nunca conseguirão ter. Mudanças rápidas e baratas são a arma para ter sucesso num mercado em constante mudança.

Quando falamos sobre roadmap, queremos ter visibilidade, capacidade de adaptação e previsibilidade com possibilidades para mudar de direção rapidamente e não um compromisso de entregar tudo o que foi planejado. Isso vem através da clareza sobre: objetivos, métricas, desafios e quais necessidades dos nossos clientes acreditamos que devemos resolver para alcançar os resultados de negócio e impactar positivamente os clientes.

Como construir um roadmap de produto mais eficaz?

Roadmap de Produtos

No golden circle, defina qual é o objetivo de médio ou longo prazo, como medir o sucesso e o quê deve ser entregue.

    1. OBJETIVOS: Quais são os objetivos de curto prazo? Quais problemas, necessidades ou oportunidades?
    2. MÉTRICAS: Quais métricas utilizaremos para saber se alcançamos sucesso?
    3. DESAFIOS: Quais desafios precisamos vencer para chegar lá?
    4. HIPÓTESES: Quais hipóteses de necessidades dos clientes acreditamos que precisam ser resolvidas para atingir os resultados esperados?

O tempo para cada objetivo depende do seu modelo de negócio. Podemos considerar dias, semanas ou meses. Idealmente, tente o menor ciclo que conseguir.

Como começar?
Agora que você já sabe o que é um roadmap de produto mais eficaz, chegou a hora de colocar a mão na massa. Faça o download da planilha Roadmap de Produto que disponibilizamos para você.

Curtiu? Não esqueça de deixar seu comentário sobre o artigo!

Aproveite e garanta sua participação no treinamento de Certified Scrum Product Owner.