Desde o início da infância nos acostumamos a receber cumprimentos e elogios. Passamos a dar ouvidos apenas às pessoas que enaltecem nosso trabalho e inflam nosso ego. Elogios são bem vindos, porém eles não evidenciam pontos que podemos utilizar para melhorar nosso produto, processo, vida profissional ou pessoal. Precisamos mesmo é de um bom feedback.

Buscando o bom feedback

Trabalhei em uma empresa que tinha um produto utilizado por milhares de usuários internos e externos. Esse produto foi construído com base nas opiniões de algumas dezenas de stakeholders internos.

Passado algum tempo, o Time percebeu que esses stakeholders pediam cada vez menos alterações e só faziam elogios. Inconformados, colocaram na função principal do produto um link para um questionário com uma única pergunta aberta: “Qual problema você teve para realizar está função?”.

Ao colocar a palavra problema, deixaram claro que não queriam elogios. O resultado do questionário foi a redefinição completa do site, do ícone até a alteração do fluxo principal do produto.

Esse exemplo pode ser extrapolado para a vida profissional. Normalmente ficamos esperando passivamente um gerente ou nosso Time nos fornecer feedback. Quando foi a última vez que você perguntou para alguém: Quais problemas você percebe no meu trabalho?  Quais foram as expectativas que eu não consegui atingir? Como eu poderia ter te ajudado? As respostas a essas perguntas podem ser duras, mas são elas que proporcionam a melhoria contínua da sua vida profissional.

Recebi um feedback. O que eu faço?

Os pontos de atenção do feedback são como presentes recebidos. Você pode guardá-los no fundo da gaveta e nunca mais utilizá-los ou incorporá-los a sua vida. Caso você opte pela segunda opção, crie o seu Backlog de Feedback. Descreva o problema que você deseja resolver,  os objetivos que você deseja atingir e as métricas que indicarão se você está indo no caminho correto. Liste e priorize as ações que farão você atingir seu objetivo, execute, avalie e se adapte.

Enquanto desempenhava o papel de Agile Coach, recebi um feedback indicando que a minha voz era muito grave e difícil de entender. Algumas pessoas ficavam com cara de interrogação enquanto eu falava. Outras perguntavam: “o quê você disse?”, “Que?”, “hein?”…

A partir desse problema, tracei o objetivo: Aumentar a minha habilidade de comunicação. A meta era extinguir a quantidade das perguntas apresentadas acima até o Rio Scrum Gathering Quando eu participaria da Coaches Clinics.

Sabia que não seria uma tarefa fácil e busquei ajuda profissional de fonoaudiologia. Acompanhei o progresso da ação contando toda vez que alguém não entendia o que eu tinha falado e pedia para eu repetir. O gráfico abaixo demonstra a evolução e como alcancei meu objetivo.

Gráfico em linha. No eixo X as semanas e no eixo Y a quantidade de perguntas que as pessoas me faziam por não entenderem o que eu falava. Semana 1 = 8, Semana 2 = 6, Semana 3 = 8, Semana 4 = 4, Semana 5 = 2, Semana 6 = 3, Semana 7 = 1. As semanas 8, 9 e Momento em que aconteceu o Scrum Gathering são todos iguais a zero.

Gráfico semanal demonstrando a redução da quantidade de perguntas das pessoas por não compreenderem o que eu falava.

 

Se você tem recebido apenas elogios, está na hora de coletar feedbacks que permitam melhorar nossa vida profissional ou pessoal.

Gostou desse artigo? Compartilhe conosco através dos comentários sua opinião sobre o assunto. Quer saber técnicas sobre como dar e receber feedback, inscreva-se nos nossos cursos de Agile Facilitator e Management 3.0.